15 de jun de 2013

Arapuca



Os três contos; "Brasil com z", "Zona Franca" e "Coca Lala"; que estão aí foram possíveis devido ao encontro que tive com o João Francisco Barros, que me apresentou o Brigadeiro Arjão. Vejam o que acham dos contos dele. No mais é tudo, bons dias...


Brasil com z 
     Dentro do ônibus nada supera dois reais, ou três. Marco Polo sempre prezou pelo capital, mas o ônibus não tinha ponto. Exclamava, exclamava... Cara! A vela queimava! Mas do destino eu duvidava.
     – Colônia! - disse sussurando o primeiro marujo enjoado.
     – Mais laranja para o convês - diz Pero Vaz aflito
     – Mais astronautas na órbita - diz Marcos Pontes.
     As esferas rebolam a séculos. Precisamos superar o doce de leite e os lampiões à gás. Mais Itaipu nessa joça - clamou Moisés. – Mar vermelho de cianofíceas, seleções marinhas fadadas ao fracasso.
     – Preciso de mais Américas para o meu mapa. Novos globos para essa terra chata - diz Marco.
     – Vamos ao Polo - emendou o marujo enjoado numa voz enovelada pela degola da embarcação.
     – Aquele cara era chatinho...
     – É mesmo? - alguém duvidou - Olha a terraaa!!
     Novamente alguém duvidou. Mas, aos poucos a tripulação era convencida pela silhueta de gigantes pelados e um denso matagal.
     – Não comeria ela, muito asfalto pro meu caminhãozinho.
     – Mas gosto do mar com todos seus pelos. Anêmonas dos cobradores.
     – Quais são as catracas? Os tubarões? - disse Pero.
     – Vais... Vais... caminha! - completou Pontes
     – Pelo que sei, a terra é gigante! Vamos depilá-la? - disse Marco, que já desembarcava.
     – Espera! Já vais? Não se caminha pelo mar... O tubarão mata...
     – Gal! Gal! Vamos à costa! - disse impacientemente Marco - O fantasma do espaço já está fazendo muita sombra!
     – Quanta sombra, minha noite é a estrela d’alva
     “A estrela d’alva no céu desponta!!”
     – Eu te amo Marco Polo. Sim, eu te amo!
     – Minha flor. Não tem onde caiba esse nosso contâiner. Talvez nossos filhos sejam excesso para nossas mãos. Irmãos, queimemos as naus!
     A embarcação foi o alvo de flechas flâmulas disparadas pelos gigantes que consumiam as caras. Mas as velas não acendiam! - Ação, Ação! - Todos embarcavam nesse calção. 
Brigadeiro Arjão



postes

Conquiste um style
destile
desfile
ponha no profile
compartilhe
comporty



Subi na balança
Pesava nós dois



Faço parte de um esquema
que cada parte
não sabe o que faz



Das menores pedras as maiores feridas



Cada caos é um caos



Repetição gera repetição



No meu país
Falam sem
Abrir a boca



Noite

Nasci fria, quase morta
o hálito que vazou do meu grito
era nitrogênio líquido, puro
Substância de pedras das geleiras que flutuam
Suava geadas em invernos constantes
Meu tato, que sopra
invade a fresta dos vidros
perturba o calor dos vivos
Riachos congelados chamam-me fria

Nasci escura, entre negra entre preta
roxo misto das sombras
rosto manchado de abismos
Par de asas insones: olheiras abrindo fechando
Se fecham as pálpebras percebem minhas penas
Espalhadas nos campos, plumas que disperso
cores de pólen intenso
bloqueio toda vista, cubro o céu imenso
Insetos luminosos chamam-me escura

Nasci eterna, descrente das coisas findas
o escorrer da minha ácida areia fina
incessa
Acompanho grão a grão de todo
Enterros
Derrames
meu cair constante descria desertos
definho as obras ditas mais fortes
Pirâmides duráveis chamam-me eterna

Nasci, percebam!
diariamente
amantes, olhos acesos!
Pois nada escapa da névoa do meu gelo
Pois nenhuma lâmpada esmaga meu voo
Pois já vi e verei o mundo ser poeira
aqueçam, acendam, pereçam!
chamem meu nome
Ou se esqueçam



Eu feito um ovo
entre
vivo e morto
frito-me de novo
na frígida receita
renasço remorro
eu
esse velho renovo



Perdoe essa escusa
, cara escura do meu brilho
mas me desabotoa
qualquer coisa suja
que me estranha
e me estreita o espírito


Zona Franca

     Debaixo daquela rua haverá um tubo. Cilindros dormindo que durante a noite desafogam feito ursos, muitos ursos! Muita bagunça! em plena paz...
     A recarga da descarga abafada pelo eco de poucas crianças estranguladas pela maciez de pelúcia barata: o urso saciado. O urso uiva:
     – Vão ao cano, sociedade barata!
     E as baratas reclamam um novo sindicato. O presidenta sentado na pele de urso rabisca seu nome. Dentro dos canos ecoam riscos de canetas que escrevem histórias paralelas. Os canos, os ursos, a tinta, na merda.
     O céu veste olhos azuis para sair de dia, à noite mostra a íris morena. Chora às vezes. Às vezes pisca-pisca. Sem nunca tocar os ursos e os uivos. Lhe apontaram um cano que correspondia à luz atrás de um olho azul. Aquele expressava em garoa o seu leve choro... o desencontro constante. Um ciúme cego! Um triângulo sem perímetro! Somente um bueiro flagrava a troca de lente, da Íris. Lentamente
     A paz faz pelúcias
     a paz faz delícias
     Um rapaz alimenta zoológicos com pipoca
     Abonada a paz de um céu nublado pensando absurdos:
     “- Se crianças esgoelassem
     se canos derretessem
     se gotas pesassem
     se ar-refecesse
     O que seria da
     física aplicada
     aos corpos...”
     Sua pergunta não tinha? fim. Pra isso deu de usar crack. (Não espalhem). Entrou no cano. O urso tinha estetoscópio mas a assinatura era perfeita. Gosta de olhar janela nas sextas, mas sábado era o dia da feira. O momento da presidento apresentar-se aos presentes.
     “A” cartilha anunciará o tráfico de drogas encanadas, além da localização do bueiro.” - Esta foi a mensagem projetada pela sombra de um amontoado de ursos em overdose. Íris estava na janela; tentando encontrar crianças encanadas e drogas estranguladas.
Brigadeiro Arjão



Era o dia se pondo.
aquela seriedade de lábios
aquela mudez
seria a própria sombra se expondo?
ou minhas cavernas
ou minhas trevas
ou meus espantos
daquela demolição ainda caem pedras
chove
feridas fechadas



nesse caça-palavra sem rumo
desisto e sphitrgumu



Lá dentro

Ah, lamento!
em mim você grita
pro mundo: silêncio



AFASTA-TE OU INFESTO-TE



Bizarre

J'observais
l'oiseau mourrir
Mais
avant
c'est moi qui suis
mort



O tempo voa na minha gaiola



Pés meus têm dimensões de países
ásias enormes
europas antigas

Pés meus não têm medida
avaçam na frente
ultramepasso



Coca Lala

     Tchába Lala, a pergunta de muitas respostas. A sublime sombra da jabulani, poucas faces, muitas curvas. Os cupins do didgeridoo se divertiam ensaiando letras em suas cartilhas.
     SO Let RAND O SOL E TRA ND O
     TCHÁ BAL ALA T CHÁ B ABALALA. Jonas corre ao banheiro pelo corredor longo. Seus pés soletram a estampa do assoalho. Ambos (Jonas e assoalho) torcendo! de modos diferente... Muitas letras a frente, A traz ia também. “A” cartilha já não trazia tranquilidade. O banheiro era alvo querido; mas inalcançável... O pequeno corredor da pequena escola da pequena áfrica. Jonas mata formigas e nem percebe, sua bexiga é pequena como a letra da cartilha.
     Cadarços causam acidentes. Não se pular e disser Tchába lala. Ao contrário: Coca Cola; que enche bexiga e cupim não gosta.
     – Eu gosto...
     – Foda-se!
     – Amém! Me amem! - Taeq exclamou - Sou somente um cupim pulguento! Trabalho o dia todo pondo gás na cola!
     – Coca?
     – Boa idéia! Irei ao cupinzeiro solicitar um fétido banheiro químico, um tubo de super-Bonder gelado, e algumas garrafas!
     – Jad-Log? É pra já?
     – Porra, mas eu pedi de calabrezza
     – Desculpe, não entendo Inglês. Não fiz Wizard, viver sem ciência sem fronteiras.
     – Mas isso não tem nada a ver com o Jonas ir pro banheiro.
     – Voltemos ao trabalho! Tchába Lala!
     Tchába, o imperdoável. Dominou todas ilhas de Marte durante alguns segundos. Seus banheiros eram à prova de balas. Censurava lustres e exportava gás, muito útil para as comunidades assistidas pelas escolas modulares de papelão.
 Brigadeiro Arjão



Eu, fruto de minha era,
como vindo de anciãs fruteiras
busco frases frescas
em uvas passas empoeiradas pêras

Retiro limo de cascas
descasco folhas secas
Talvez nem tão maduro
nutro abelhas



Dias entranhos
Esses que sinto virem
Das estranhas



Aos amanheceres
abro as rotinas
Retiro as sombras
das pálpebras cortinas



ô de casa!

Quem estando em mim consentiria
Quem está aqui e concorda
Bato dentro Ouço fora
Tudo que sinto
porta



O quanto desenho minha biografia
letras douradas
Auto lá, linhas premeditadas!



Vou tomar ar
pra ver
se me afogo



assim natura

Recebi um crachá com meu nome escrito à caneta
Não acho parecido
Devolvo cada letra

Essas curvas?
Minhas curvas?

Não
não sou eu
nem que seja



bibir

ter filtros
selecionar litros






Inté