16 de mai de 2012

Células conjuntivas





Essas aqui não tem taxa



Um sol de morrer e uma vida de matar.
Data: 20/12/2011





Jogar sem fim, e sem fins
Data: 30/12/2011





O que duas letras não (re)fazem
Data: 17/01/2012





Vendo sobra(n)do
Data: 24/01/2012





Canso dos meus descasos
Data: 25/01/2012





Cada palavra é um crime
Data: 04/03/2012





"não confie em citações"
Data: 28/03/2012





A luz vai amassando as coisas com uma paciência que nem os imortais aguentam
Data: 11/04/2012





Temos duas coisas em comum: nossas diferenças e nossas sincronias
Data: 11/04/2012





Há o insondável
Data: 25/04/2012





Tudo que termina um dia acaba
Data: 09/05/2012





Não fazem mais passados como atualmente
Data: 10/05/2012





Vaga luz do vaga lume diverge na estrela divaga no estrume
Data: 10/05/2012





Até parado a gente corre risco
Data: 15/05/2012







Inté

3 de mai de 2012

Pois elas não falam







 Taí, vão uns desvãos:




D'aqueles que flutuam

Eu tinha asas
tinha sim
duas, cinco, onze
tinha uma, tinha

E usava-as não sei como
espanando armários
provocando cócegas

tão graúdas
como deltas
tão miúdas
até insetas

e imensamente leves
que se desprenderam de
minhas costas

lento e espesso
olho-as
fremendo
acenando
suas palmas penadas pela janela

abrindo
como se me chamassem
por uma porta
entreaberta




Reformo

soltos. Talvez até mais se se imaginassem presos
Cada instante separado
lacrimejando separadamente
as gotas lágrimas escorrendo
à procura do chão
que todos sujeitamos

aqui estamos
sem nos encontrar
o desencontro nos une
os contratempos nos confrontam
desconfortam
e inconformado
constantemente deformo



só acredito em 
coincidências
quando acontecem



Beleza despertando ira
até capaz das coisas mais feias
Em nome de rosas
dizer asneiras



óleo amargo
ludibrificando
o povo polia




Simpatia

Pessoas se encontrando
cometas colidindo
de um telescópio observando
meus acidentes mais lindos



de primatas

bonóbos e guaíbas
de brinquedos
bananas e goiabas
de comidas
bobeiras e algazarras




cada qual doma
seus demos



in sãna consciência
cometendo normalidades



céu

luz sim
sombra não

mas se nenhum dos dois nunca se vê
?

reluz-se tudo
assombra-se sempre





No parapeito
do meu peito parado
está um leito
sujeito ao sereno bruto
britas
nas quais deito
em terra
em lençol sujo



Amargura

com o pranto da vergonha
derramado no sangue
Pedro derrete
em um susto
do raivoso
ao inerte

geléia humilhada
convivendo com a palma dos pés
ainda a face remanescia
enquanto a substância escorria pelo ralo



Há os que seguem
seguem os que existem

comigo
nesse mundo exato
consigo
conseguintes:






 Inté